Alô, alô! – você sabe quem é ela?

Da redação SICOM-PET, Pedro Maziero

Mulher preta, de origem pobre, sem nenhum tipo de instrumentalização acadêmica, ex-prostituta, hipersexualizada, frequentemente confundida por uma travesti, artista de talento questionável e autora de pérolas consideradas por muitos como expoentes máximos da imbecilidade humana. Poderia ser uma qualquer, fadada a ser ridicularizada pela sociedade e posteriormente esquecida; ou poderia ser o passado sombrio na comovente história de “redenção” de uma cantora gospel qualquer. Mas é uma curta biografia de Inês Brasil, a “rainha da porra toda”, como muitos de seus fãs optam por referenciá-la.

Inês começou sua carreira como dançarina, umas das “mulatas” em um espetáculo de Osvaldo Sargentelli, na boate Oba-Oba, no Rio de Janeiro. Alguns anos depois, entrou no mundo da prostituição, em Copacabana. Lá, conheceu aquele que se tornaria seu marido e que a levaria para a Alemanha, onde Inês viveu durante muitos anos.

A fama, no entanto, só veio depois, com o vídeo que Inês enviou em sua inscrição para o BBB 13. Ela não foi selecionada, mas viralizou, tornando-se uma das maiores web-celebridades brasileiras, com quase meio milhão de seguidores no instagram.

Produção musical

O termo “webcelebridade” certamente não dá conta de apreender quem é Inês Brasil. Talvez, até, ela própria prefira ser definida por sua carreira musical. O clipe de seu single Make love, lançado em 2015, já soma mais de três milhões de visualizações no Youtube; hoje em dia ela faz cerca de vinte concertos (que é como ela se refere a seus shows) por mês, recebendo, em média, doze mil reais por cada um.

A qualidade técnica e artística da produção de Inês é questionável, mas suas músicas têm letras que são um reflexo perfeito de sua personalidade e são indiscutivelmente chiclete pedida obrigatória em muitas das baladinhas Brasil afora.

Liberdade sexual, religiosidade e autenticidade

Se Inês tinha tudo pra dar tão errado, por que deu tão certo?

Seus defensores são unânimes: sua autenticidade. Inês é um personagem extremamente caricato, exceto pelo fato de que não é um personagem. Quem acompanha seu trabalho sabe que seu jeito de ser é constante – e libertário e pacifista e humano. São pérolas como “eu me prostitui na Alemanha durante dez anos, graças a Deus!” que a fazem tão querida: o despudor e o tabu não precisam necessariamente andar separados de, por exemplo, a religião, para Inês.

Ela é representativa de inúmeras minorias; vários episódios em sua trajetória a tornariam alvo fácil de diminuição e ostracismo perante a sociedade. Inês, sem filtro nenhum, fiel a si mesma, orgulhosa e desavergonhada da pessoa que é, é um símbolo de resistência. Ela afronta uma sociedade quadrada, ávida por julgar e execrar o diferente – tanto é verdade que seus maiores fãs estão na comunidade LGBT+, mesmo Inês sendo uma mulher cis heterossexual.

Quer divulgar e enaltecer o trabalho dessa diva? Então salva aí no celular cinco memes mega versáteis para usar no facebook:

 

1) Esse é pra imprimir e levar na baladinha pra esfregar na cara do macho escroto assediador
1) Esse é pra imprimir e levar na baladinha pra esfregar na cara do macho escroto assediador

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2) Tessalonicenses 10:1-13
2) Tessalonicenses 10:1-13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3) "cσмρℓєτє-sє α si мєsмσ є ρrσcυrє αℓgυéм qυє τє τrαทsвσr∂є!!"
3) “cσмρℓєτє-sє α si мєsмσ є ρrσcυrє αℓgυéм qυє τє τrαทsвσr∂є!!”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4) O código de Hamurabi é tãooo 1700 a.C.! Mais amor por favor <3
4) O código de Hamurabi é tãooo 1700 a.C.! Mais amor por favor <3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5) Essa daqui é A CLÁSSICA pra comentar quando o crush atualiza a foto de perfil, não tem erro!5) Essa daqui é A CLÁSSICA pra comentar quando o crush atualiza a foto de perfil, não tem erro!

Daniele Fernandes

Daniele curte filmes e séries cult, e quando diz cult quer dizer coreano ou comédia romântica de Hollywood. Possui profundo conhecimento em economia, sabendo administrar suas famílias no The Sims 4.

Deixe uma resposta