Crise no cinema espanhol

Segundo dia do FIAA traz mostra de cinema espanhol e debate sobre o tema
ACI/Faac
O segundo dia do Fórum Ibero-Americano de Audiovisual e Arranjos Produtivos (FIAA), teve como parte de sua programação uma mostra de cinema espanhol, com a exibição dos curtas-metragens “Um perro andaluz” (direção de Luis Buñuel), “La concejala antropófaga” (de Pedro Almodóvar) e “Mirindas Asesinas” (direção de Alex de La Iglesia). Os convidados para debater sobre cinema espanhol foram o cineasta e poeta Donny Correa e o professor Francisco Caballero, da Universidad de Sevilla. A discussão foi mediada pelo professor da FAAC, João Eduardo Hidalgo.
A mostra começou com Hidalgo expondo uma breve história do cinema espanhol. Depois, o professor explicou que a Espanha passa por uma crise na área cinematográfica, a qual acompanha a crise econômica europeia, tendo, dessa forma, menos recursos para produzir filmes. Após essa pequena introdução, foram exibidos os três curtas-metragens espanhóis e “Totem”, curta-metragem do cineasta Donny Correia. Em seguida, deu-se início ao debate entre os convidados e a plateia.
Francisco Caballero explicou que o cinema foi interrompido na Espanha, pois o país não soube lidar com a crise econômica que o atinge, ao contrário de nações latino-americanas. “O cinema brasileiro e argentino está crescendo, pois esses países souberam lidar e produzir dentro de crises. A Espanha, por outro lado, produz cada vez menos obras cinematográficas”, esclarece Caballero. Além disso, o professor comentou sobre a dificuldade de comercializar obras espanholas, como de Almodóvar, dentro do próprio país, uma vez que a população espanhola está cada vez mais adaptada a assistir produções norte-americanas. 
O professor João Eduardo Hidalgo alertou para o fato de que os brasileiros não conhecem filmes espanhóis, assim como a população espanhola não é acostumada com o cinema brasileiro. “Até poucos anos atrás, os filmes estrangeiros tinham que ser dublados para entrar na Espanha. Esse é um dos motivos para o pouco conhecimento dos espanhóis em relação ao cinema brasileiro”, explica Hidalgo. Outro ponto destacado pelo professor da FAAC é o fato de que atualmente o cinema brasileiro não necessita de grandes cenários e efeitos visuais grandiosos, basta ter uma boa ideia para se produzir um filme. 
Por fim, Donny Correia falou um pouco sobre cinema brasileiro, criticando o constante uso da temática de favelas nas produções nacionais. Além disso, afirmou que o Brasil passa por uma crise de criatividade para criar histórias. “No Brasil sofremos uma crise de roteiro. Temos dinheiro pra produzir, ótimos atores, boa estética, mas não temos roteiro para criar boas narrativas”.

Deixe uma resposta