João Rock 2017 – do calor ao frio, e ao calor de novo

Mesmo com uma fila para entrar que parecia interminável, a 16ª edição do festival João Rock aconteceu memoravelmente.


Comentários da Redação do Sicom – PET, Victória Rangel

 

No dia 10 de junho aconteceu o festival João Rock, na cidade de Ribeirão Preto. Com início às 16h, as bandas vencedoras do concurso promovido pelo festival, NDK e Machete Bombs, abriram a sessão de shows do palco principal, o palco João Rock.

Depois da abertura, o palco João Rock recebeu Armandinho, que iniciou seu show com muita pontualidade. Revezando-se entre canções novas e antigas, o cantor trouxe ao público muitas de suas produções famosas e brincou com o tempo ao cantar “Analua” e “Desenho de Deus” quando o sol começou a se pôr no Parque Permanente de Exposições, onde o festival foi realizado.

 

Público contemplando o show de Armandinho e o pôr do sol na cidade de Ribeirão Preto – Página de divulgação oficial do festival

 

Humberto Gessinger, subindo ao palco depois de Armandinho, tocou e cantou os tão esperados clássicos de Engenheiros do Hawaii, banda em que foi vocalista por mais de 20 anos. Gessinger contou com a participação de Dinho Ouro Preto para cantar “Olhos Abertos” e agitou o espaço reservado para o público no palco principal, que estava lotado de fãs quando a temperatura começava a cair em Ribeirão Preto.

CPM 22, logo depois, levou ao público muito de seu novo disco “Suor e Sacrifício” e levantou seus fãs amantes de Rock n´ Roll que encheram a pista comum do show. A banda terminou sua apresentação com a muito esperada “Um minuto para o fim do mundo”, música que marca e levanta até quem não os conhece bem.

 

Badauí, vocalista da banda CPM 22 – Página de divulgação oficial do festival

 

Intercalando suas músicas de 2003 com suas produções mais recentes, desde “Na sua estante” até “Sete Vidas”, Pitty dominou o palco João Rock logo depois de CPM 22. A cantora baiana chamou o público para ajudá-la a compor seu show e não decepcionou aqueles que a esperavam depois de sua recente pausa. Mulher forte, Pitty ressaltou que era a única cantora a subir nos palcos do João Rock deste ano, e que muito precisava ser feito para que, nos anos posteriores, mais mulheres tivessem o espaço e a oportunidade que ela teve.

Dinho Ouro Preto, agitado como em todos os seus shows, agradeceu a presença de seu público com a intimidade de um verdadeiro ídolo ao entrar no festival depois de Pitty. “Natasha”, “Olhos Vermelhos” e “Primeiros Erros” não faltaram na apresentação de Capital Inicial, que lançou o famigerado grito de “Fora Temer” ao anunciar o começo da clássica composição de Renato Russo, “Que País É Esse?”, aquecendo seu público no frio de quase 9ºC.

 

Dinho Ouro Preto conversando com seus fãs – Página de divulgação oficial do festival

 

Nando Reis, com o carisma de quem já subiu ao palco do João Rock diversas vezes, entoou a muito esperada canção “Segundo sol” na sua vez, que cantava em parceria com a já falecida Cássia Eller e antecedeu o muito esperado show de despedida do vocalista Falcão e sua banda.

O Rappa, que anunciou o fim dos shows do grupo para o início de 2018, fez a penúltima apresentação do palco principal do João Rock 2017. “Súplica Cearense” e “Pescador de Ilusões” contagiaram os fãs, que também interagiram acendendo as luzes de seus celulares e isqueiros em contraste com as luzes apagadas do palco.

Quem se dispersou e foi embora, perdeu um grande show de encerramento com participações de Pitty, que voltou ao palco para cantar “Hoje cedo”, e Vanessa da Mata, com a música “Passarinhos”, e que levou ao público, inclusive, uma palhinha da sua música autoral “Ai ai ai”. O show do rapper Emicida, pela primeira vez no festival, contou com uma animada interação com o público, incluindo coreografias e refrões ensinados passo a passo para que os fãs pudessem cantar junto.

 

 

Com efeitos visuais e sonoros muito pontuais, Emicida e sua banda conseguiram levantar a plateia já cansada e com muito frio como nenhum dos cantores anteriores conseguiu. Encerrando o show com “Levanta e anda”, o rapper deixou no ar uma sensação de esperança, que permeou seu show cheio de humildade e muita energia.

 

Agradecimento do Facebook oficial do festival João Rock – Página de divulgação oficial do festival

Deixe uma resposta