Mobilização petiana

“Nós, os integrantes do PET, cumprimos ações de formação ampla, participando profundamente em atividades de ensino, pesquisa e extensão com exigência de níveis de excelência nos padrões da ciência brasileira. Nos comprometemos também em pensar novas formas para a qualidade do Ensino Superior brasileiro a partir dos nossos grupos de experiência tutorial, tendo em vista os impactos positivos que esta formação completa pode trazer para todos.
O PET é reconhecido, portanto, pela sua atuação desde o final da década de 70 como um programa de importantíssima contribuição dentro do contexto da Educação Superior brasileira, por estimular o espírito crítico dos envolvidos com o grupo por meio de ações que se desenvolvem no marco da indissociabilidade do tripé Ensino, Pesquisa e Extensão. Ainda, toda a importância acadêmica do trabalho dos petianos pode e deve ser também revertida em ações que se voltem para a atenção aos bolsistas, por meio do pagamento em dia fixo, avaliação sistemática e construtiva dos grupos e o contato mais constante e efetivo na construção coletiva do programa entre a SESu e nós petianos, que vivemos o dia-a-dia do PET. 
Reafirmamos, portanto, os itens aprovados pela comunidade e encaminhados pela diretoria da CENAPET em reunião com a SESu e também reivindicamos mais clareza do MEC quanto aos prazos de pagamento dos recursos definidos para execução da atividades do PET. Pelo segundo mês consecutivo (em setembro de 2012) o atraso no pagamentos das bolsas ultrapassou os prazos normalmente praticados pelo MEC, com o recurso pago em torno do décimo dia útil. 
No mês de agosto ainda houve o agravante de parte dos bolsistas ter recebido somente depois do restante dos grupos. Solicitamos, então, que se efetive o pagamento dos bolsistas do PET em prazo semelhante ao praticado nos programas do CNPq, em datas fixas para que os petianos possam contar com a bolsa. Além disso se faz necessário que a SESu informe oficialmente os motivos de não recebimento dos recursos de custeio e o prazo para fazê-lo aos tutores que ainda não receberam sua verba. 
Alguns grupos não conseguem receber este dinheiro há algum tempo e já têm suas atividades prejudicadas pela total falta de recursos, fato agravado pela ausência de um informe mais específico sobre as causas de não tê-lo recebido ou sobre quando e como esse repasse ocorrerá. Por fim reafirmamos o compromisso de fazer o Programa cumprir suas metas e seguir sendo um dos exemplos de sucesso da formação acadêmica de estudantes, de impacto positivo nas IES e nas comunidades com as quais desenvolvemos projetos e reivindicamos que as nossas demandas sejam reconhecidas e analisadas como necessidades sérias de uma comunidade constituída por mais de 10.000 integrantes em todo o país, que desejam colaborar ainda mais na melhoria do programa e da Educação Brasileira”.
Grupos PET 

Deixe uma resposta