Nerve: Um Jogo Sem Regras – além de muito suspense, traz crítica à geração millennials

Página inicial do jogo Nerve

 

Da redação SICOM-PET, Raíssa Pansieri

 

O longa (1h 36min) que estreou em 25 de agosto, é baseado no livro homônimo de Jeanne Ryan. A protagonista da história é Vennus Delmonico, que assume o papel principal de sua própria vida, ainda que isso lhe traga escolhas das quais possa se arrepender. Tudo graças ao Nerve – jogo virtual de desafios transmitidos 24 horas. Vee (Emma Roberts) precisou fazer uma escolha simples: ser “jogadora” ao invés de “observadora”. Porém, a dimensão que essa escolha tomou, quase acabou com a vida da própria jovem.

A princípio, a julgar pelo enredo, a história parece não fugir ao senso-comum. Há inclusive a atuação de Ian (Dave Franco), parceiro de jogo que se transforma no par romântico de Vee. Porém, com a direção de Ariel Schulman e Henry Joost, que já carregam em seu portfólio filmes como Catfish (2010) e Atividade Paranormal 3 e 4 (2011; 2012), a narrativa foi das mais interessantes entre o gênero suspense infanto-juvenil, segundo os críticos.

A sensação, ao adentrar na sessão de cinema é a de total identificação, como se estivéssemos realmente imersos em realidades virtuais. Até detalhes reais não escaparam ao roteiro de Jessica Sharzer. Exemplo disso é o momento em que Vee se troca diante das câmeras e, logo surgem comentários desrespeitosos que comumente vemos na internet, como: “Que gostosa”.

As atuações de Emma e Dave são brilhantes e recheadas de adrenalina na maior parte das cenas. Essas catarses proporcionadas ao público alteram-se entre as sensações de apreensão e medo, seguidas pelo alívio de cenas com beijos apaixonados. Isso fez com que o público não piscasse os olhos por nenhuma fração de segundo.

1º desafio de Vee: beijar um estranho (Ian)
1º desafio de Vee: beijar um estranho (Ian)

 

Uma das regras do jogo é filmar todos os desafios pelo próprio celular. E, nesse ponto, surge a crítica àqueles que vivem em função de conquistar seguidores, como ocorre com a geração Millennium, que já nasceu conectada. As informações sobre os participantes saem de seus perfis no Facebook, nos fazendo refletir inclusive quanto ao conteúdo que publicamos em nossas redes.

Dramaturgia

A temática da necessidade de estar conectado o tempo todo é abordada também, com muito humor, em Haja Coração, novela de Daniel Ortiz, em que a patricinha Fedora Abdala (Tatá Werneck) encontra-se em diversos momentos a beira do abismo cibernético.

Internet

Sem spoiler sobre o desfecho final, adianto que o conjunto da obra é moralista, sem tornar-se maçante. E faz o público refletir sobre o exagero em querer registrar tudo em suas redes sociais. 

Porém, esse moralismo foi deixado de lado em prol da parceria com a internet para a divulgação. Para quem ainda não assistiu, mas ficou com aquela água na boca, além do trailer, já encontra o aplicativo Nerve para baixar em seu celular.

Para mais conteúdos relacionados ao filme, acesse o site oficial: http://www.playnerve.com

SalvarSalvarSalvarSalvar

Daniele Fernandes

Daniele curte filmes e séries cult, e quando diz cult quer dizer coreano ou comédia romântica de Hollywood. Possui profundo conhecimento em economia, sabendo administrar suas famílias no The Sims 4.

Deixe uma resposta