Novas Plataformas de Ensino

Da Redação Sicom PET, por Vinícius Oliveira

Como uma maneira de introduzir novas formas de abordagem ao ensino, tanto no fundamental, quanto médio ou superior, o design e o audiovisual surgem como grandes ferramentas auxiliadoras na difícil tarefa da educação.

Estamos em um mundo no qual os velhos métodos de transmissão de ensino, como por exemplo, a tradicional sala de aula onde o professor transmite o conhecimento e os alunos o absorvem passivamente, no qual provavelmente muitos de nos aprendemos, está desgastado. Nesse método, havia uma sala onde o professor ficava a frente, falando com alguns poucos alunos que se interessavam, todos perfeitamente enfileirados enquanto o professor tentava passar algum conhecimento que era pertinente a sua disciplina. Com as múltiplas plataformas de comunicação ficou ainda mais difícil prender a já precária atenção do aluno, acostumado a receber informações constantemente, pelos mais diversos canais.
Hoje busca-se uma maior interdisciplinaridade no ensino. Desse modo, o design e o audiovisual surgem como excelentes ferramentas. Nos novos métodos de ensino, o professor já não se distancia dos alunos, ele busca estar próximo a eles e entender qual é a demanda por conhecimento e busca passa-lo de uma forma mais eficaz e mais leve. As salas de aula já são dispostas de maneiras diferentes, os alunos conseguem ir em busca do aprendizado não apenas nos livros, mas também na internet, através de vídeos e redes sociais.
O design, juntamente ao audiovisual, atua diretamente nessas novas demonstrações de ensino. Abaixo, uma animação digital produzida por um estúdio de design americano Maas Digital LLC, unido a música Sunspots da banda Nine Inch Nails, demonstra como é o processo de uma nave espacial que deixa a Terra e também mostra que é possível ensinar e divertir ao mesmo tempo através de novas plataformas de ensino. 

  .
O vídeo foi proposto pela Nasa, para divugar a chegada do robô Curiosity à Marte. O objetivo proncipal era que a divulgação alcançasse um público alem dos intelectuais habituados a seguir as publicações científicas da agência.

Deixe uma resposta