O financiamento coletivo como ferramenta na internet

Da Redação SICOM PET, por Felipe Pacelli
Milhares de fotos, vídeos, textos e posts em blogs e redes sociais são compartilhados a cada minuto pelos usuários da grande rede de computadores. Já não é mais surpresa pra ninguém a extrema rapidez com que a informação circula na internet e essa característica é a principal responsável por tornar os antes espectadores passivos na frente das mídias tradicionais em produtores de conteúdo.
 Em conjunto a tantos compartilhamentos de produtos amadores e profissionais, vem crescendo uma nova forma de atividade na internet, que tem como principal fonte de energia o internauta. É  o chamado crowdfunding (do inglês, financiamento coletivo) que ganha força em todo o mundo justamente por tentar emplacar alternativas às formas tradicionais de financiamento de projetos culturais, em qualquer nível de abordagem.
O crowdfunding funciona assim: produtores com uma ideia na cabeça, definindo uma quantia em dinheiro necessária para realização do seu projeto e uma data limite para consegui-la, sujeitam o seu projeto à avaliação e à empatia de um público que se encontra principalmente nas redes sociais. A partir dessa relação afetiva, o internauta se sente atraído a fornecer uma quantia em dinheiro para que o projeto se realize. Caso o valor seja atingido no limite de tempo estipulado, os produtores recebem a quantia em dinheiro para dar continuidade às suas ideias e, se isso não ocontecer, o dinheiro retorna aos contribuintes.
No Brasil, várias iniciativas culturais obtiveram êxito nas práticas do crowdfunding através de plataformas específicas para financiamento coletivo de projetos, sendo a principal delas o Catarse, que soma hoje 299 projetos bem-sucedidos, mais de 30 mil apoiadores e 40 mil apoios concedidos. No site do projeto você pode conferir e fazer parte de 84 projetos em andamento!



Deixe uma resposta