QUANDO A REALIDADE AUMENTADA PROMOVE A SOCIALIZAÇÃO

Nintendista – Divulgação

 

Da redação SICOM-PET, Wesley Anjos

 

Sabe aquele papo de vô de “na minha época era…”? Pois é, passam-se as gerações e os hábitos mudam. O vovô, inclusive, devia brincar muito de esconde-esconde, jogar pião, andar de carrinho de rolimã ladeira abaixo, enfim… explorar as ruas. A gente vê o saudosismo de muitos quando falam desses tempos de liberdade, exploração e diversão. “As crianças de hoje em dia são um horror. Não saem de casa e passam o dia no tal do videogame e no celular”.

Não é à toa que pessoas de gerações anteriores criticam arduamente os tempos atuais. Bauman que o diga. O sociólogo se espanta com as formas como as pessoas criam laços sociais e amizades nestes tempos de pós-modernidade. Onde já se viu ter mais de 1000 amigos e não conviver com quase nenhum? Essas são as tais das relações liquidas que ele tanto fala. As pessoas se conhecem rápido demais e logo perde a graça. Manter uma interação constante é mais difícil do que parece.

 

 

Daí vem um tal de Pokémon GO e gera aquele rebuliço. Teorias da conspiração à parte, ele tem levado a galera de volta às ruas para se divertir. A moda do momento não é mais ficar ocioso, e sim ir à caça. Daí vem os times do jogo e os próprios grupos de amigos que saem para caçar. Não é exatamente o carrinho de rolimã, mas a criançada tem estímulo para se socializar, não é mesmo?

A realidade aumentada tem contribuído nos processos de socialização das pessoas não é de hoje, sabia? Tinha ideia de que o código de barras dos produtos que você compra é um caso clássico de realidade aumentada? Pelo visto o buraco é bem mais embaixo. O conceito desta tecnologia é justamente unir a nossa realidade com uma realidade virtual.

 

O Google Glass é outro exemplo da tecnologia que prometia muito. (Divulgação/ Wikipédia)
O Google Glass é outro exemplo da tecnologia que prometia muito. (Divulgação/ Wikipédia)

 

A tecnologia aumentada já é usada até pela medicina em algumas cirurgias em que o médico contribui à distância para uma determinada equipe. Mas é claro que ela bombaria quando entrasse para o ramo do entretenimento.

O rebuliço inicial foi o Google Glass, os óculos que criavam hologramas. Outras empresas apostaram em produtos semelhantes, mas, não se popularizou tanto, pelo menos por enquanto. O que caiu mesmo no gosto das pessoas foi a ideia de poder utilizar a realidade aumentada em um game nos seus smartphones.

 

 

A experiência deu tão certo, que muitos fãs espalham boatos de um suposto Digimon GO. Há também boatos de que um game de realidade aumentada do Harry Potter estivesse sendo desenvolvido. Se os boatos são verdadeiros ou não, não dá para afirmar. Mas podemos dizer que o vovô não pode mais reclamar que as crianças de hoje não se divertem mais fora de casa. 

 

"Segura essa! Parece que o jogo virou, não é mesmo?" (Reprodução/ Rainha Gretchen Tumblr)
“Segura essa! Parece que o jogo virou, não é mesmo?” (Reprodução/ Rainha Gretchen Tumblr)

 

Mais:

 

Netflix: A história e o impacto da empresa para o audiovisual 

 

8 lugares de Bauru que você precisa conhecer 

 

Wesley Anjos

Jornalista em formação, escritor e ator nas horas vagas. Típico amante das artes, é viciado em fabular e beber mate, não necessariamente nesta ordem.

Deixe uma resposta