Santa Clarita Diet: A vida de uma morta-viva

Abra os olhos e imagine uma vida em que você só exerça as funções básicas. Acordar. Comer. Trabalhar. Dormir. Uma vida pacata e desanimada até que algo acontece e você se torna uma mãe e esposa morta-viva.

 

Da redação Sicom-PET, Carol Oréfice

 

Um dia você está no trabalho e de repente vomita seu próprio coração. Você então se torna uma pessoa morta-viva e redescobre sua vitalidade. Esta é a vida de Sheila, personagem principal da série Santa Clarita Diet. A série conta a história do casal Sheila Hammond (Drew Barrymore) e Joel Hammond (Timothy Olyphant), dois corretores de imóveis que moram na terceira maior cidade do condado de Los Angeles, Santa Clarita, com a filha adolescente Abby Hammond (Liv Hewnson).

 

Tem divulgação da série com ícone brasileiro sim!

A vida da “família perfeita” sofre uma reviravolta radical quando Sheila vomita seu coração e passa por uma alteração nas suas preferências alimentares, passando a se alimentar de carne humana fresca. A partir disso, os três membros da família contam com a ajuda do vizinho nerd Eric Bemis (Skylar Gisondo) que está disposto a passar por inúmeras encrencas com a família Hammond.

 

A libertação Feminina

Muito mais do que uma atuação impecável e um humor peculiar, Santa Clarita Diet representa a autoaceitação da mulher através de Sheila (Drew Barrymore). A personagem tinha uma vida no modo automático até transformar-se em uma morta-viva e, a partir disto, passa a ter disposição para as situações do dia a dia e um aumento no desejo sexual.

A série aborda a ironia de se sentir vivo, não estando tão vivo assim. (Crédito: Divulgação Netflix)

Diferente de séries zumbis como The Walking Dead, Santa Clarita Diet procura focar muito mais no contexto familiar e as relações interpessoais que ocorrem do que discutir a respeito do futuro da humanidade. A série utiliza da protagonista como uma metáfora demonstrando que uma pessoa pode estar morta muito antes de morrer. A cena em que Sheila torna-se uma morta-viva representa o renascimento dela como mulher. É a partir do momento em que Sheila deixa de ser uma humana comum que ela liberta-se para tomar suas próprias decisões e sanar suas vontades.

A libertação de Sheila incomoda Joel, que começa a precisar dividir as tarefas da casa com a esposa, algo que antes ela exercia sozinha. Santa Clarita Diet simboliza essa voz fe­­­­­minina que Sheila ganha, nas cenas em que ela compra uma Range Rover, e quando resolve sair com as vizinhas, situações que fazem o marido surtar.

Fugindo do estereótipo de zumbi, Sheila mantém os sentimentos e preocupações com sua família. A série explora as questões de união da família e o modo de vida norte-americano utilizando do bom humor e da relação com o cotidiano.

Ao herdar as obrigações da mulher, Joel começa a ver as dificuldades existentes. (Crédito: Netflix Divulgação)

Embora algumas cenas pareçam absurdas, ao assistir a série é impossível não correlacionar com o dia a dia ou mesmo imaginar a sua família na mesma situação que a família Hammond. Os pais perfeitos que procuram manter tudo sob controle, inclusive a filha revoltada, o garoto nerd que auxilia, o vizinho enxerido.

Todos esses laços do roteiro são situações habituais transformadas em trama e transmitidas para o telespectador através de uma veia cômica. Santa Clarita Diet, série criada pelo Netflix e estreou dia 3 de fevereiro de 2017. A primeira temporada conta com 10 episódios com pouco menos de meia hora de duração. Ótimo para “maratonar”. 😉

SalvarSalvarSalvarSalvar

Daniele Fernandes

Daniele curte filmes e séries cult, e quando diz cult quer dizer coreano ou comédia romântica de Hollywood. Possui profundo conhecimento em economia, sabendo administrar suas famílias no The Sims 4.

2 comentários em “Santa Clarita Diet: A vida de uma morta-viva

  • 17 de fevereiro de 2017 em 21:01
    Permalink

    Muito bom!! 👏👏

    Resposta
  • 18 de fevereiro de 2017 em 23:49
    Permalink

    Gostei muito do texto 👏

    Resposta

Deixe uma resposta