“Somos um estímulo para comunidade e estudantes”

Dois universitários mostram que a graduação pode ser um celeiro de ideias para estender maior integração com comunidades carentes; media-metragem “Abel contra o muro” é um exemplo de projeto que ultrapassa os muros acadêmicos para alcançar visibilidade social

Colaboração,
por Isabel Namba, Matheus Martins Fontes e Pedro Zambon
Discentes do 7º Termo de Comunicação Social-Jornalismo da FAAC/Unesp


Fazer uma obra-de-arte não é fácil. Promover integração entre uma comunidade humilde com o público de classe média de uma universidade não se faz de um dia para o outro. E aliar as duas propostas, então? Com mente aberta para encarar o desafio, dois ex-alunos do curso de Rádio e TV da Universidade Estadual Paulista (UNESP), do câmpus de Bauru, conseguiram realizar o que muitos diretores e produtores sequer imaginam.
Produção “Abel contra o muro” teve o Jardim Niceia como
 palco das gravações
A produção do media-metragem Abel contra o muro fez parte do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Alexandre Borges e João Guilherme Perussi e visou à conexão do mundo estudantil com moradores do Jardim Niceia, bairro periférico bauruense, de maneira que houvesse a troca de experiências e o aprendizado mútuo entre duas parcelas distintas da sociedade. 
A ideia do projeto audiovisual surgiu em 2010, quando os dois, ainda na graduação, optaram por realizar o media-metragem no Niceia, comunidade localizada nas proximidades da Unesp. A escolha se deu pela participação de Alexandre, diretor de Abel contra o muro, no Observatório de Educação em Direitos Humanos da faculdade e da vivência com os moradores. 
O enredo conta a história de um adolescente chamado Abel que é criado preso dento de casa pela tia, sem contato com outras pessoas, nem mesmo com a possibilidade de frequentar o ambiente escolar. Para obter o contato com o mundo externo, o personagem utiliza um buraco no muro de sua residência. Essa passa a ser a única maneira de Abel ter conhecimento dos acontecimentos fora de sua realidade. Um dia, o garoto consegue escapar de sua tia, acaba conhecendo outros jovens e passa a viver novas experiências em busca de liberdade e na luta contra as mentiras ao seu redor. 
Nos bastidores, o próprio bairro foi palco das filmagens e ocasionou a participação dos moradores como figurantes e/ou atores, com oficinas de teatro oferecidas gratuitamente. De um projeto acadêmico, Abel contra o muro ganhou força no cenário municipal e passou a contar com o apoio de coproduções, parcerias cinematográficas e até contemplou uma visibilidade internacional, com a utilização de legendas em cinco idiomas (português, inglês, espanhol, italiano, francês e chinês). 
Segundo o produtor de Abel contra o muro, João Guilherme, o sucesso da obra permitiu que sonhos antes distantes, como a participação em festivais internacionais, pudessem ser encarados como objetivos possíveis de serem alcançados. 
A seguir, João conta mais detalhes sobre o media e também revela quais planos ele e seu parceiro foram obrigados a abrir mão pelo desfecho satisfatório da obra. Confira! 
Reportagem – Depois de um ano de produção e das apresentações em algumas cidades do interior paulista, incluindo também a grande São Paulo, pode-se dizer que Abel contra o muro é um sucesso? 
João Guilherme (JG) – Acredito que o projeto como um todo foi, sim, um sucesso. Mas não por bilheteria ou pelo número de espectadores. Obviamente, graças à repercussão que o filme ganhou, alcançamos um número grande de espectadores, principalmente pela exibição na TV aberta, mas o sucesso em si é o resultado da união de todas as pessoas envolvidas, e nisso contemplo todos os apoiadores, amigos, moradores do Jardim Niceia, professores e outros envolvidos. 
Reportagem – A intenção do media-metragem era aproximar a comunidade da Unesp com o Jardim Niceia, diminuindo o preconceito em relação à comunidade do bairro. Acredita que o objetivo foi alcançado? 
JG – O preconceito é algo muito difícil de ser eliminado em nossa sociedade, principalmente porque consumimos coisas que nos distanciam e nos segregam diariamente, mas acho que contribuímos para a comunidade poder enxergar que somos parte de um todo em que, na verdade, não há diferença, mas apenas uma questão socioeconômica que prejudica e aumenta essa distância. Acho que, para realmente estreitarmos os laços, há ainda uma necessidade de continuidade de outros projetos. Na verdade, o Abel funciona como um estímulo para comunidade e estudantes. 
Reportagem – Havia o interesse de legendar o filme em cinco idiomas (inglês, espanhol, italiano, francês e chinês). Isso, de fato, aconteceu? 
JG – Sim. O filme foi legendado nos cinco idiomas e, para isso, contamos com a ajuda de professores nos respectivos idiomas que, assim como outras pessoas, se apegaram ao projeto e viram nisso uma oportunidade de contribuir. 
Reportagem – O desejo de participar de festivais se concretizou? 
JG – O filme foi inscrito em vários festivais nacionais e internacionais, mas pela questão do tempo de duração, (59 minutos) foi algo que não nos enquadrou nem em média metragem e nem em longa, portanto dificultou nossa efetiva participação. Mas tivemos exibições em TV aberta, programas de TV, fizemos uma turnê pelo estado exibindo e dando workshop, além da exibição da Mostra do Filme Livre. 
Reportagem – Olhando o trabalho de vocês agora, há algo que vocês mudariam? 
JG – Acho que a única coisa que mudaríamos seria o tempo, mas acredito que seria maior, pois o projeto não permitiu que criássemos um curta. 
Reportagem – Profissionalmente falando, o que o futuro reservou a vocês? 
JG – Atualmente eu trabalho na TV e o Alexandre em uma produtora, mas realizamos projetos até hoje juntos, e estamos produzindo alguns curtas que possivelmente serão lançados no ano que vem.

Deixe uma resposta