Um México bem português

Da Redação SICOM PET,
por Gerardo Martínez
 – estudante da Universidad Nacional Autónoma de México
“FOGO o inicio da humanidade

O Projeto Fogo Ensemble leva aos mexicanos uma visão além das fronteiras, mostrando a realidade de outros países por meios de suas canções e danças típicas. A alegria do Brasil, a veemência de Portugal e o calor da África estão presentes nos encontros do Projeto. Formado em 2007 por Chris Arhundati, Leo Nava e Leão James, o Fogo Ensmble configura-se, essencialmente, como um projeto de música lusófona com o objetivo principal de difundir a cultura dos países de língua portuguesa por meio da música. O Ensemble tem como foco os gêneros musicais pouco difundidos no México, como por exemplo, o fado português, a morna cabo-verdiana, bossa nova, samba e o rock brasileiro. 

O projeto apresenta grande repercussão em diversos Fóruns Culturais, programa de radio, e universidades dentro e fora do país. Tem recebido reconhecimentos pela Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), do Instituto Politécnico Nacional (IPN), o Claustro de Sor Juana, do Instituto Camões de Portugal, pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Secretaria Cultural de São Paulo, cidade onde os integrantes do grupo já fizeram um pequeno tour com o projeto “Meu povo sente igual”. Tem colaborado também com as embaixadas de Brasil e Portugal, também com o Instituto Nacional de Migração (INM) e também para os eventos culturais promovidos pelo Governo da Cidade do México. 
A seguir você encontra a definição do Projeto Fogo Ensemble publicado pelos próprios integrantes na página do Facebook: 

“Foi o fogo o que abriu os olhos do homem, deu-lhe conhecimento, acordou os seus sentimentos, a luta e a irmandade (…) do jeito que o amor e a música o fazem… desse jeito é que o Fogo Ensemble tenta mostrar o oceano de culturas amarradas pela luta, a esperança, o amor, alegria e saudade” (… ). 

Veja um vídeo de apresentação do Grupo no teatro “Javier Barros Sierra” na UNAM, câmpus FES Acatlán, em 2011:

Deixe uma resposta