Unesp diminui oferta de bolsas

O PET-RTV tem sido afetado pelo corte no orçamento desde 2015

Da Redação SICOM-PET, Wesley Anjos

(Fonte: Portal Pixabay_
(Fonte: Pixabay)

 

Em tempos de instabilidade política e econômica no país, muito se discute sobre os investimentos em educação e programas sociais. Quando se trata de São Paulo, sabe-se que as três universidades mantidas pelo governo do estado vêm sofrendo cortes no que diz respeito às bolsas para projetos de extensão e também em outros investimentos. A pauta de uma possível greve é debatida por alunos, professores e demais funcionários. No caso da Unesp de Bauru, na segunda-feira (16) houve uma paralisação dos servidores contra a suspensão de concursos, congelamento salarial e aumento da alíquota previdenciária. Os alunos do curso de Psicologia também aderiram à paralisação para decidir futuras medidas a serem tomadas.

Um exemplo recente da problemática é o WebJornal do campus de Bauru.  O projeto que antes recebia recursos da Pró-Reitoria de Extensão Universitária – Proex, acaba de sofrer um corte total do que possuía para a sua manutenção. Até as duas bolsas que o projeto oferecia aos discentes foram excluídas. Mas não são apenas os projetos de extensão que têm despertado preocupação, as bolsas de auxílio financeiro aos alunos com comprovada carência socioeconômica também.

Bolsa BAAE

O maior campus da Unesp não dá conta da demanda por bolsas. (Fonte: Portal FC)
O maior campus da Unesp não dá conta da demanda por bolsas. (Fonte: Portal FC)

“Quando eu fui procurar a BAAE I, também fui procurar as especificações necessárias para recebe-la”, diz Danilo Lysei, aluno do segundo ano do curso de Jornalismo. “Na verdade, eu não me considero totalmente dentro dos critérios da BAAE, mas vi vários critérios em que me encaixava”.

A Bolsa de Apoio Acadêmico e Extensão – BAAE I é ofertada aos alunos com dificuldades para se manter financeiramente. Para usufruir do benefício, é necessário levar uma série de documentos que comprovem a baixa renda do candidato e família. Após a entrega da documentação, há uma entrevista com uma assistente social, que são analisadas posteriormente. No geral, os alunos com menor renda e cujas famílias estão mais distantes de Bauru têm preferência. O valor mensal é de 425,00 e os beneficiados precisam desenvolver 5 horas de atividades semanais juntamente a um orientador.

Danilo não foi contemplado com a bolsa, recebe ajuda dos pais que moram em São Paulo, e acredita que as dificuldades enfrentadas não são tantas. O mesmo não pode ser dito de Victória Linard, sua colega de sala, que tem sofrido para manter os seus estudos longe da família, que reside em Ribeirão Preto. O seu pai está endividado e ela, entristecida. Também não foi contemplada pelo benefício.

“Eu levei todas as negociações impressas do meu pai com o banco, as faturas atrasadas”, explica Victória. “É péssimo. Eles pensam que estão te fazendo o maior favor do mundo quando não estão“.

Ela explica que no edital da Unesp consta que a universidade tem que garantir a permanência do aluno. Mas, na ausência disso, ela procura um emprego, um estágio ou outra modalidade de bolsa. Qualquer coisa que evite ter de enfrentar outro processo desses, que julga cansativo e constrangedor. O seu pai ajuda como pode. No momento, ela tem contado com o apoio do namorado para não passar por maiores dificuldades financeiras.

– A universidade pro pobre é ilusão. – Reflete Victória, que acha pequeno o valor mensal da bolsa.

Todo ano estudantes disputam pela BAAE I. (Fonte: Portal Pixabay)
Todo ano estudantes disputam pela BAAE I. (Fonte: Pixabay)

Questionada sobre o número de bolsas oferecidas, Katia Franzé, responsável pela BAAE I dentro da Seção Técnica de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão – STAEPE, explica que o número de bolsas oferecidas é 65. Os dados revelam que o número é o mesmo desde 2014. Logo, ao contrário do que se especula, na Unesp de Bauru não houve um corte no número dessas bolsas. O que ocorre é que elas não são suficientes para a demanda, ainda mais com a adesão da universidade às cotas para alunos negros, pardos, indígenas e os advindos de escolas públicas

Caso um aluno tenha conseguido a bolsa em 2016, não é garantido que vá conseguir em 2017 novamente, por exemplo. Com a chegada de novos discentes, a cada ano a disputa acirrada ganha novos contornos. Quando o número é insuficiente para casos de extrema necessidade, há um acréscimo de bolsas chamadas emergenciais. Em 2014 houve três bolsas emergenciais. Em 2015, 12. Já em 2016 foram 14.

Corte de orçamento no PET-RTV

 Se a BAAE I não sofreu cortes, o mesmo não pode ser dito do Programa de Educação Tutorial Interdisciplinar de Rádio e Televisão (PET-RTV). O programa, focado em produções audiovisuais, é voltado para ensino, pesquisa e extensão e busca fazer uma integração de cursos por meio da interdisciplinaridade.

De acordo com Antonio Francisco Magnoni, tutor do PET-RTV, desde 2015 o projeto tem sido afetado pelo corte no orçamento da universidade. Antes o programa oferecia 12 bolsas para os alunos. Atualmente, oferece oito.

Daniele Fernandes

Daniele curte filmes e séries cult, e quando diz cult quer dizer coreano ou comédia romântica de Hollywood. Possui profundo conhecimento em economia, sabendo administrar suas famílias no The Sims 4.

Deixe uma resposta