Você no Celacom 2012

Joice Ribeiro

Graduanda em Comunicação Social-Jornalismo pela Universidade Federal do Pará

Após 48 horas de viagem, Joice Ribeiro, estudante do quinto semestre do curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal do Pará (UFPA), chegou a Bauru para apresentar seu trabalho no Celacom. O tema abordado pela estudante é “O cinema como agente difusor da literatura”, e enfoca a questão da taxa do analfabetismo e como as pessoas entram em contato com a literatura por meio do cinema, principalmente na região da Amazônia Legal. “Eu cheguei ontem a São Paulo e estou gostando bastante. É bom ser recebida na terra de outras pessoas porque nos semtimos mais a vontade. Para mim estar no Celacom é um momento de troca de conhecimento, de experiência e de construção de repertório”, ressalta a jovem.

Aleta Tereza Dreves

Coordenadora do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Acre

“Quando você fala que veio do Acre as pessoas se espantam, veem com estranheza a imagem do Acre que é mostrada na televisão, e é a própria televisão que diz que o Acre não existe. Mas através da Comunicação, isso, aos poucos, vai acabando. Nós estamos mais presentes nos congressos, mostrando o potencial de trabalho e assim sendo reconhecidos no campo da pesquisa. O objetivo aqui no Celacom é fazer essa ponte, levar para os alunos de lá o conhecimento adquirido nos debates daqui”, enfatiza.
Elizabeth Gonçalves

Professora da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), Coordenadora do Grupo de Pesquisa Estudos de Comunicação e Linguagem

“A aproximação entre a Comunicação e Literatura é a linguagem. A linguagem é a ferramenta, ou o elemento, aproxima as duas áreas e ao mesmo tempo as diferencia. Porque, enquanto a Literatura trabalha o artístico da palavra, da linguagem, a Comunicação procura trabalhar um viés mais referencial, digamos assim. A tendência é de aproximação, em que você tem uma Literatura mais comunicativa e uma Comunicação mais artística, pois cada vez mais o comunicólogo está se desprendendo de amarras. Principalmente hoje com as novas mídias, que não são mais tão novas, há uma maior liberdade de criação e de expressividade, que é o que a arte faz, de deixar extravasar esses elementos. Mas é preciso sempre ter o cuidado de pensar qual é seu objetivo e o tipo de relação você quer estabelecer com o seu interlocutor”.

Maria Cecilia Petrolio Katinskas
Mestranda em comunicação pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul


“A apresentação do evento que foi colocada na internet me deixou muito curiosa, pela proposta de ideia que era desenvolvida, ou seja, utilizar a narrativa para trazer uma proximidade entre a a literatura e a comunicação. Estar no Celacom é ampliar o conhecimento, abrir fronteiras da percepção e possibilitadades geradas pela comunicação”.

Deixe uma resposta